Skip to main content

Transtorno de personalidade limítrofe: 20 sintomas comuns e fatores de risco

By ActiveBeat Português

O transtorno de personalidade limítrofe (TPB) é uma doença mental que afeta cerca de 1,6% dos adultos apenas nos Estados Unidos. De acordo com o National Health Services (NHS), é o transtorno de personalidade mais comumente reconhecido e afeta os pensamentos e sentimentos de uma pessoa sobre si mesma e sobre os outros.

Aqueles que desenvolvem BPD tendem a começar a exibir sinais no início da idade adulta. A condição geralmente piora à medida que avançam para a idade adulta, mas pode melhorar à medida que envelhecem. Continue lendo para aprender os sintomas mais comuns e os maiores fatores de risco do BPD a serem observados.

Sintomas

Medo do abandono

Pessoas com TPB tendem a ter um forte medo de serem deixadas sozinhas ou abandonadas. Independentemente de tal abandono ser real ou imaginário, o indivíduo pode tomar medidas extremas para evitar uma possível separação ou rejeição.

Por exemplo, HelpGuides.com diz que alguém com BPD pode “implorar, agarrar-se, começar brigas, rastrear com ciúme os movimentos de seu ente querido ou até mesmo impedir fisicamente a outra pessoa de sair”. Infelizmente, esses comportamentos podem fazer com que os entes queridos se afastem, resultando exatamente no que eles temiam e estavam tentando evitar.

Relacionamentos instáveis

O BPD tende a tornar a manutenção de relacionamentos saudáveis muito desafiadora. Isso ocorre porque o indivíduo afetado tende a ser bastante carente, intenso e desconfiado, não apenas com parceiros românticos, mas também com amigos e familiares.

Além disso, uma pessoa com BPD tende a ter uma maneira muito preto e branco de pensar nas pessoas, vendo-as como “todas boas” ou “todas más”. Isso causa mudanças frequentes de atitudes em relação aos outros, que variam de “proximidade e amor extremos (idealização) a antipatia ou raiva extremas (desvalorização)”, diz o Instituto Nacional de Saúde Mental.

Shutterstock/fizkes

Autoimagem instável

Pessoas com BPD também lutam com distúrbios de identidade. Às vezes, eles podem se sentir bem consigo mesmos, mas outras vezes podem sentir ódio de quem são, talvez se vendo como maus ou perversos. Além disso, essa autoimagem pode mudar dependendo de com quem a pessoa está, pois muitas vezes copia as ações e comportamentos dos outros. “Sua capacidade de ser independente e autônomo é muito prejudicada”, diz John Oldham, MD, professor de Psiquiatria e Ciências Comportamentais no Baylor College of Medicine em Houston, em entrevista ao Health.com.

Eles também podem mudar constantemente de ideia sobre quem são ou o que querem na vida, resultando em mudanças frequentes de “empregos, amigos, amantes, religião, valores, objetivos e até mesmo identidade sexual”, indica HelpGuides.com.

Comportamentos impulsivos e de risco

Comportamentos impulsivos, arriscados e frequentemente autodestrutivos também são comuns para pessoas com TPB. Esses comportamentos podem incluir jogos de azar, gastos excessivos, furtos em lojas ou “sabotar o sucesso ao abandonar repentinamente um bom emprego ou terminar um relacionamento positivo”, diz a Mayo Clinic.

Em alguns casos, esses comportamentos podem até colocar o indivíduo em perigo, como dirigir de forma imprudente, praticar sexo sem proteção, abusar de drogas ou álcool ou comer compulsivamente. Embora o envolvimento nessas atividades possa ajudá-los a se sentirem melhor no momento, eles podem fazer mais mal do que bem a si mesmos e a seus relacionamentos íntimos a longo prazo.

Auto-mutilação

A automutilação é outro sintoma comum de DBP; na verdade, o Center for Addiction and Mental Health diz que “até 75 por cento das pessoas com BPD se automutilam uma ou mais vezes”, geralmente cortando-se, queimando-se com cigarros ou uma “overdose que pode trazer alívio de intensas emoções dor.”

Embora na maioria dos casos esses comportamentos de automutilação sejam parassuicidas, esse não é o caso de todos, como relata a fonte, “cerca de 10% das pessoas com BPD tiram suas próprias vidas”.

Pensamentos suicidas

Embora na maioria dos casos esses comportamentos de automutilação não sejam suicidas, esse não é o caso de todos, como relata a fonte, “cerca de 10% das pessoas com BPD tiram suas próprias vidas”. Pensamentos e comportamentos suicidas não são incomuns para aqueles que lutam contra o BPD. Esse comportamento suicida inclui pensar em suicídio, fazer ameaças suicidas ou realmente realizar uma tentativa de suicídio.

Mudanças de humor intensas

Outro sintoma comum do TPB é a volatilidade emocional, com intensas mudanças de humor que variam da felicidade extrema em um momento ao desespero no seguinte. Essas mudanças de humor podem ser desencadeadas por coisas que os outros simplesmente ignorariam ou nem perceberiam, como “se um colega estivesse preocupado demais para dizer olá no corredor”, diz Health.com.

Embora essas mudanças de humor tendam a passar rapidamente, geralmente durando apenas alguns minutos ou horas, elas podem persistir por vários dias seguidos em alguns casos.

Sentimentos crônicos de vazio

Pessoas com BPD também podem lutar com sentimentos crônicos de vazio, como se “houve um buraco ou um vazio dentro deles”, diz HelpGuides.com. Em casos extremos, a fonte diz que os indivíduos podem se sentir como se não fossem “nada” ou “ninguém”.

Como essa sensação de vazio é desconfortável, eles “podem tentar preencher o vazio com coisas como drogas, comida ou sexo”. Embora essas coisas possam oferecer alívio temporário, nada parece fazer com que desapareça para sempre.

Raiva explosiva

Além das mudanças extremas de humor, as pessoas com BPD também podem lutar contra uma raiva intensa. Embora essa raiva seja frequentemente desencadeada, Health.com diz que eles “reagem de uma maneira que parece exagerada ou desproporcional a um evento”.

Essas reações podem incluir “frequentemente perder a paciência, ser sarcástico ou amargo ou ter brigas físicas”, diz a Mayo Clinic. Embora essa raiva seja mais perceptível quando é dirigida externamente para os outros, HelpGuides.com observa que as pessoas com BPD passam muito tempo com raiva de si mesmas.

Paranóia

A paranóia é outro sintoma comum do BPD, onde um indivíduo pode ter “pensamentos suspeitos sobre os motivos dos outros”, diz HelpGuides.com. Como resultado, eles podem lutar para confiar nos outros. Os episódios de pensamento paranóico ou paranóia podem variar de leve e temporário a grave e crônico, dependendo da pessoa.

Dissociação

Em alguns casos, muitas vezes sob estresse, as pessoas com BPD podem experimentar dissociação ou sensação de perda de contato com a realidade. Nesse estado, o Instituto Nacional de Saúde Mental diz que eles podem “sentir-se isolados de si mesmos, vendo-se de fora do corpo ou com sentimentos de irrealidade”.

Ansiedade

Aqueles com transtorno de personalidade limítrofe também podem ter crises de ansiedade ou ansiedade crônica. Eles podem experimentar episódios intensos de ansiedade, medo ou preocupação que podem durar de algumas horas a alguns dias ou às vezes mais. Um transtorno de ansiedade pode ser um diagnóstico completamente separado, mas geralmente surge como um sintoma ou efeito colateral ao lado do BPD.

Depressão

Outro sinal ou sintoma comum do TPB são os sentimentos de depressão, desesperança ou baixa energia. Esses sentimentos são mais do que apenas tristeza normal e são tipicamente mais crônicos ou intensos por natureza. A depressão é outro sintoma que pode ser diagnosticado como seu próprio distúrbio, mas geralmente surge como um sinal ou sintoma comum ao lado do TPB.

Dificuldade em sentir empatia

Aqueles com transtorno de personalidade limítrofe geralmente têm dificuldade em sentir empatia pelos outros. Estudos têm mostrado que aqueles com BPD geralmente têm atividade reduzida nas regiões do cérebro que suportam a empatia, o que pode levar à dificuldade em manter relacionamentos interpessoais. Essa atividade reduzida significa que aqueles com BPD têm dificuldade em entender e prever como os outros podem se sentir em determinadas situações.

Planos e aspirações instáveis

Outro indicador do BPD é um sentimento de instabilidade em relação aos planos de carreira, aspirações e objetivos. Aqueles com BPD podem não ter motivação ou energia para dar vida a seus planos ou sentir-se confusos ao fazer esses planos. O BPD causa mudanças frequentes em gostos e desgostos, o que muitas vezes torna difícil para aqueles que foram diagnosticados se comprometerem com uma carreira. Pacientes com TPB também podem lutar com uma autoimagem instável, o que dificulta o crescimento na carreira.

Fatores de risco

Genética

Acredita-se que o BPD seja causado por uma combinação de fatores, um dos quais é a genética. Se alguém em sua família próxima, como um pai ou irmão, também foi diagnosticado com a doença mental, o NHS diz que os genes que você herda “podem torná-lo mais vulnerável ao desenvolvimento de BPD”.

Mas, até agora, não há evidências de um gene BPD. Mind.org.uk diz: “A genética pode torná-lo mais vulnerável ao desenvolvimento de BPD, mas muitas vezes é devido a experiências de vida estressantes ou traumáticas que essas vulnerabilidades são desencadeadas e se tornam um problema”.

Aflição na infância

Que tipos de eventos de vida estressantes ou traumáticos podem desencadear essas vulnerabilidades genéticas? Alguns que são observados pela Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA incluem “seja real ou medo de abandono na infância ou adolescência”, uma “vida familiar interrompida” ou “má comunicação na família”. O NHS acrescenta que experimentar medo ou angústia crônica durante a infância também pode contribuir.

Abuso infantil

Outro fator que pode contribuir para o BPD é o abuso “sexual, físico ou emocional” desde a infância. Há evidências de que aqueles diagnosticados com TPB são mais propensos a ter um histórico de abuso ou outras experiências angustiantes durante a infância. Estudos mostraram que “40% a 76% das pessoas com BPD relatam que foram abusadas sexualmente quando crianças e 25% a 73% relatam que foram abusadas fisicamente”.

Negligência na infância

Outra forma de abuso infantil que pode ser mais passiva, mas igualmente impactante, é a negligência infantil, que pode ser física e emocional. Exemplos de negligência física incluem negar a uma criança as necessidades básicas, como comida ou água. Negligência emocional é quando as necessidades emocionais ou mentais básicas de uma criança são ignoradas.

Anormalidades da serotonina

Outro fator que se acredita contribuir para o BPD são as anormalidades com neurotransmissores – substâncias químicas que transmitem sinais entre as células do cérebro. Um neurotransmissor que é particularmente preocupante é a serotonina.

De acordo com Healthline.com, “a serotonina é um hormônio que ajuda a regular o humor”, e quantidades inadequadas causam mudanças perceptíveis. Essas mudanças podem incluir “depressão, agressão e dificuldade em controlar impulsos destrutivos”, observa o NHS.

ActiveBeat Português

Contributor

Saúde Mental

Explore

Everything You Need To Know About LASIK Surgery
By ActiveBeat Author Your Health

Everything You Need To Know About LASIK Surgery

Laser eye surgery, also known as LASIK, is a life-changing procedure. Former eyeglasses and contact lens wearers report being able to see perfectly once again, enjoying the freedom of clear vision. And just recently, one of the best things about LASIK is skilled doctors offering their services for much cheaper than before. Why? It’s a […]

Read More about Everything You Need To Know About LASIK Surgery

4 min read